08
Fev 10

Os terramotos estão na ordem do dia.

A Terra não pára de nos surpreender e sistematicamente nos dá sinais da sua irrequietude, versatilidade e poder.

Em Portugal, o mais célebre por ter sido o mais devastador, deu-se a 1 de Novembro de 1755, que assolou de forma implacável, a cidade de Lisboa. Historiadores, geólogos, sismólogos,  têm  dedicado uma boa parte do seu estudo a este fenómeno.

Sobre o assunto podemos encontrar nos nossos Arquivos Históricos descrições, relatos e notícias, sobretudo em fundos documentais de cariz religiosa como os conventuais, paroquiais, diocesanos o que justificável tendo em conta que a igreja, com toda a sua máquina humana, tinha praticamente a exclusividade da escrita em Portugal, com maior relevância, nos meios pequenos, onde os padres ou párocos eram a única figura da literacia.

Encontrámos uma dessas descrições num livro de registos de baptismo da freguesia de Maiorga, do concelho de Alcobaça, logo a seguir ao termo de abertura do mesmo e que nos diz o seguinte:

Neste anno de 1755 dia de todos os Santos do prezente anno, ouve hum grande Terremoto quazi en toda Europa e nós o sentimos no nosso Reino de Portugal principalmente a Corte e a cidade de Lisboa sendo esta o Paraizo da terra agora ficou destroida e quazi arazada, de sorte que não ficou templo nem caza onde pudesse habitar morador algum nem celebrar o Santo Sacrificio da Missa por que depois de ficar toda a supra dita cidade a ruínada veio o fogo e debrazou ou queimou todas as riquezas que nella havia e muitas mil almas se queimarão vivas por ficarem de[bai]xo  doa edeficios. Villa Franca Povos Castanheira tão bem a mayor parte se arazou Alcobaca ficou muita parte destroida nesta villa cahirão algumas cazas, e algumas ficarão para secula seculorum  a que aqui cahio já mais se levantou a nossa Igreja a parede da parte do Pulpito abrio por todo o comprimento hũa grande brecha e me parece que tarde se red[?]eficará rezão porque os freguezes della falta o zello mas muito a prezunção.Não está assinado mas o seu autor terá sido o vigário Manuel Sousa Lima.

Fonte: Livro de Baptismos de Maiorga, existente do Arquivo Distrital de Leiria– ADLRA/PRQ/PACB09/1/6

publicado por Ana às 13:32
 O que é? |  O que é? | favorito

Fevereiro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
27

28


arquivos
2016

2015

2014

2013

2012

2011

2010

2009

mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO