16
Jul 16

Ala dos Namorados

Quando pela primeira vez pisámos o recinto fronteiriço à Escola, logo nos chamou a atenção, o grande painel decorativo, não só por ficar bem de fronte do portão de entrada como também pela originalidade do estilo pouco comum à época.

Da autoria do professor Augusto Mota, ( A EICLRA foi criada e vocacionada para o desenho, onde passaram mestres e professores da arte, dos mais ilustres da nossa região, tendo sido o professor Augusto Mota um dos autores mais criativos e suis generis que integrou o seu quadro docente. Quem não se lembra das célebres capas que a Livraria Martins, durante décadas apunha aos livros que ali vendia? Eram também da sua autoria) foi executado pelos alunos de Trabalhos Manuais dos anos lectivos de 1960/1961 e 1961/1962 sob a orientação dos mestres Camilo Mourão e Adelino Romeiro e inaugurado em Junho de 1962 integrado nas Comemorações Condestabrianas e com a presença do Subsecretário de Estado da Educação Nacional.

num painel lindíssimo predominantemente azul,

Ala dos Namorados é com certeza, um tributo aos jovens namorados, que evidenciam as suas primeiras manifestações amorosas, precisamente no período que frequentam o secundário. Não poderia estar melhor enquadrado.

Predominantemente azul realizado em mosaico de vidro e vinil….

Hoje, remodelado o espaço e o empreendimento escolar o painel parece ausente. Colocado em local escondido, tem dividido opiniões e levantado polémicas. Colocado de costas viradas para a cidade, limitado apenas aos olhares de quem frequenta a escola, priva, agora o público e a comunidade de poder admirar um trabalho de grande originalidade e de um enorme vanguardismo, fruto da genialidade de Augusto Mota.

Apesar de património da Escola, o painel considerado Arte Pública, é também património da cidade. Para nós ex-alunos da Escola a Ala dos Namorados, será sempre o seu ex-libris.

 

 

 

Religião Moral

Entre outros pontos que tínhamos em comum é que não conhecíamos os ensinamentos e os preceitos da catequese. No nosso seio familiar não se cultivavam práticas religiosas regulares., para além das celebrações do Natal, da Páscoa e pouco mais.

À distância de quatro décadas percebemos que não houve um encaminhamento sustentado no ambiente escolar, talvez até um certo alheamento. Sim comemorava-se o Dia da Mãe a 8 de Dezembro, mas só.

Chegadas à EIC a disciplina de Religião e Moral, bem diferente das outras, apresentava um carácter mais leve, não implicava grandes estudos.

As colegas que vinham dos meios circundantes da cidade tinham profundamente enraizados os costumes religiosos cristãos e a disciplina era do seu agrado. Para nós, sinceramente, não despertava grande emoção, mas comungar suscitava-nos alguma curiosidade.

Ministrava a matéria a professora de ginástica, que, por ser catequista estava habilitada a fazê-lo. Foi ela que nos preparou para a primeira comunhão e foi muito importante para nós. Contudo, à volta dos preceitos religiosos criava-se um clima de medo e de vergonha, especialmente quando nos propúnhamos à confissão. Expor os “nossos pecados” o que diziam ser pecados e lembramos: mentir aos pais, ter “maus pensamentos” (quando o tema era rapazes e sexo), o receio de nos esquecermos de mencionar qualquer pecado, eram momentos de grande ansiedade. Acrescia ainda o esforço enorme que fazíamos para não “pecar” até ao momento de comungar.

Depois receber a hóstia tinha o seu ritual e cuidados especiais como não tocar com os dentes no “Senhor”, não mexer a boca…

Havia em nós um misto de alegria e angústia: alegria por poder participar no momento mais significativo da missa e ter a sensação de alma purificada, angústia porque era-nos difícil cumprir com tamanhas exigências.

Já  numa fase avançada  do curso a disciplina perspectivava-se mais para as dúvidas e comportamentos dos jovens, com um carácter mais filosófico e científico, com métodos e estratégias que nos faziam sentir compreendidos e apoiados. O Padre Joaquim Domingos Gaspar foi o grande responsável por isso. Não se afastando do dogma cristão, optou por ir ao encontro das nossas aspirações, compreender e chegar às nossas dúvidas. E fê-lo bem.

 

 

Conclusão

Nesta viagem ao nosso passado escolar reconhecemos locais, lembrámos factos, reconstituímos episódios, desenterramos sentimentos, numa comunhão e cumplicidade que, desde longa data, fazem parte de uma saudável e bem alicerçada amizade.

A Escola Industrial e Comercial de Leiria foi e continua a ser um marco muito importante nas nossas vidas, onde aprendemos a crescer, numa aprendizagem formativa e de afirmação para que ao passarmos pela porta aberta, que era o final do curso, pudéssemos lançar-nos no mercado de trabalho e na vida social.

Esta vivência, em pleno Estado Novo, com os seus condicionalismos, proibições e preconceitos, apelava à nossa criatividade e “manha”, porquanto nos obrigava a inventar caminhos e estratagemas para vencer obstáculos, ultrapassar dificuldades e atingir os nossos objectivos.

Estudar e tirar o curso comercial era o primeiro objectivo; mas tratando-se de não desperdiçar qualquer paródia, convívio, festa, ou outras actividades, aí, é que era de aproveitar, porque a escola era a oportunidade que tínhamos para nos divertir um pouco. As férias eram um tempo que nos enfadava, com tanto tempo!

Contadas algumas destas estórias aos nossos filhos, tornam-se incríveis aos olhos deles, por tão desfasadas dos hábitos sociais de hoje.

Pelo prazer que o compilar destas memórias  nos proporcionou, gostaríamos que outros colegas que connosco viveram alguns dos momentos que fomos lembrando ao longo deste testemunho, pudessem, também eles próprios, reviver estes acontecimentos, que fizeram parte da história das nossas vidas.

publicado por Ana às 16:36
 O que é? |  O que é? | favorito

Julho 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


arquivos
2016

2015

2014

2013

2012

2011

2010

2009

mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO